• caraguatatuba
  • ilhabela
  • são sebastião
  • ubatuba

Mensagem do Bispo Dezembro 2015

Veja mais notícias

O Papa Francisco nos convocou para uma caminhada de Misericórdia durante todo um ano. Declaro aqui minha grande alegria ao ver a resposta da nossa Diocese de Caraguatatuba vindo em tão grande número na abertura da Porta Santa da nossa Catedral no dia 13 de dezembro. Agradeço por este gesto de respeito e acolhida da proposta do Santo Padre.

Misericordiosos como o Pai é o lema do Ano Santo. Na misericórdia, temos prova de como Deus nos ama. Ele dá tudo de si mesmo, para sempre, gratuitamente e sem pedir nada em troca. Vem em nosso auxílio quando O invocamos, nos diz o Papa. (MV 14). Será que este Ano da Misericórdia fará Deus ser mais misericordioso do que já é? Não! Deus é misericordioso sempre e sem limites. Então para que Ano Santo? Justamente para que nós despertemos para a realidade do Amor infinito de Deus. Nós é que mudaremos acolhendo esse amor infinito. O Evangelho do dia da abertura da porta foi de Lucas 3, 10-18 contando-nos o diálogo das pessoas com João Batista. Diante da pregação dele sentiram-se impelidos a tomar uma atitude e perguntaram: Que devemos fazer então? Ele foi direto, mais simples. Não exigiu oferecimento de sacrifícios ou a realização de rituais (jejuar, vestir-se de saco, cobrir-se de cinzas) mas sugeriu a conversão do coração através da partilha dos bens, repartir as túnicas para vestir e o alimento a quem precisa ter responsabilidade e honestidade no trabalho.

O Ano da Misericórdia então é muito mais do que realizar a peregrinação Porta Santa, ela é um rito (Confessar, comungar, rezar o Ato de fé o Creio rezar pelas intenções do Papa Francisco) isto deve significar o grande desejo de mudança de vida, de conversão do nosso coração.

As obras de misericórdia são apresentadas pelo Papa Francisco como um programa de vida a ser seguido.

Obras de Misericórdia corporal: dar de comer aos famintos. Dar de beber aos sedentos. Vestir os nus. Acolher os peregrinos. Dar assistência aos enfermos. Visitar os presos. Enterrar os mortos.

Obras de misericórdia espiritual: aconselhar os indecisos. Ensinar os ignorantes. Admoestar os pecadores. Consolar os aflitos. Perdoar as ofensas. Suportar com paciência as pessoas molestas. Rezar a Deus pelos vivos e defuntos. (MV 15).

Outra vez é Natal… Jesus Cristo chamado pelo Papa Francisco de “O Rosto da Misericórdia do Pai”, vem justamente manifestar na maneira mais compreensível possível para o nosso entendimento a misericórdia do Criador. Assume nossa história humana entristecida pelo pecado e nessa mesma história abre todas as possibilidades de restauração da criação decaída pelo mal. Vem mostrar que a alegria tem seu lugar. Que cada um de nós não está perdido, mas é a razão da encarnação do Verbo Eterno. Se merecemos tamanha consideração então não desperdicemos mais as graças e dons que Deus insistentemente continua a nos oferecer. Recebam minha intenção das orações pelo bem de cada um de seus familiares e da nossa comunidade neste Natal. Deus Menino vos conceda muitas alegrias na aurora de um Novo Ano em 2016. Agradeço aos sacerdotes, aos diáconos aos religiosos e s religiosas, aos seminaristas, todos os leigos engajados em nossas pastorais e que assumem com muita esperança nosso projeto diocesano Construindo Comunhão. Obrigado por vosso empenho, dedicação e esforço em acolher a todas as pessoas. Vosso trabalho muitas vezes escondido, silencioso e sem aplausos. Deus com a Paz de seu Natal entre nos vossos corações. Deus nos abençoe a todos.

 

Dom José Carlos Chacorowski