• caraguatatuba
  • ilhabela
  • são sebastião
  • ubatuba

Dízimo, expressão de fé

Veja mais notícias

dizimo 7 faceO dízimo é sinal de gratidão, devolução generosa, partilha consciente e contribuição responsável, quando fazemos dele uma expressão de reconhecimento ao Deus que dá a vida e a mantém. O dízimo, quando oferecido de coração agradecido, torna-se oração de ação de graça.

O dízimo é Partilha, quando fazemos dele uma expressão de nossa comunhão com Deus e com a comunidade. Quando oferecido com consciência, torna-se partilha que gera fraternidade.  O dízimo, quando oferecido com fé, torna-se instrumento de construção da comunidade e, conseqüentemente, meio privilegiado de evangelização. Dízimo sem fé não é dizimo: é pagamento. E a Igreja não é um supermercado de graças onde os cristãos negociam com Deus. Deus não vende nada: Ele oferece tudo gratuitamente. Dízimo e fé são inseparáveis. Quem “paga” o dízimo age como se deus pudesse ser comprado; quem devolve o dízimo oferece a Deus um pouco do tudo que a Deus pertence.

O Dízimo e a comunidade  

Deus recebe o dízimo através da comunidade. Tudo pertence a Ele. Ele é o dono; nós, os usuários. Ele não precisa de nada para Ele, mas precisa para a Sua comunidade (Igreja). Todo dízimo oferecido comunidade é dízimo oferecido a Deus. Quando afirmamos que Deus recebe o dízimo através da Sua comunidade estamos nos referindo Igreja e, mais especificamente, comunidade paroquial (matriz e capelas) e comunidade diocesana (diocese).
O dízimo, repassado pelas paróquias diocese, permite que ela organize e faça acontecer a ação pastoral em nível diocesano. Da formação dos futuros presbíteros, passando pela capacitação dos cristãos leigos e leigas, até a manutenção dos órgãos burocráticos, o dízimo possibilita que a diocese evangelize tanto organizando e administrando como formando e capacitando os cristãos.  O dízimo permite que a comunidade paroquial exista, se mantenha e cumpra com aquela que é a sua tarefa prioritária: a evangelização. Sem o dízimo, a estrutura que possibilita a ação evangelizadora fica comprometida, quando não seriamente danifica ou até mesmo impossibilitada de alcançar o seu objetivo.

A comunidade é formada por todos os batizados que estão em sua circunscrição (territorial ou pessoal).  A sustentação da comunidade é, portanto, responsabilidade de todos os seus membros. De todos os batizados é a responsablidade pela sustentação e manutenção da comunidade qual pertencem. Da pastoral da acolhida pastoral do dízimo, tudo é responsabilidade de todos. Cada um deve fazer a sua parte de acordo com a vocação e os dons que recebeu de Deus. Ou seja, cada um deve fazer a sua parte sem perder de vista o todo, que é responsabilidade de toda a comunidade.  Todos são responsáveis pela sustentação da comunidade, e não apenas o pároco e os vigários paroquiais, ou ainda o conselho de assuntos econômicos. A comunidade é uma família, e os batizados os membros dessa família: por isso todos são responsáveis por ela, devendo cada um contribuir medida de suas possibilidades.  É fácil “lavas as mãos” ou “cruzar os braços” e deixar que os outros façam. São muitos os cristãos acomodados que vivem deitados em “berço esplêndido” vendo e, quase sempre, criticando o trabalho que os outros realizam. Não se deixe vencer pelo egoísmo nem pela preguiça: faça a sua parte, participando espiritual e financeiramente da vida da sua comunidade: ela é a sua segunda família e assim, possa entender que O Dízimo, é também expressão do Amor. Fruto de um coração que ama a Deus porque é grato para com Ele, que ama a Igreja porque reconhece nela o sacramento de Cristo, e que ama o próximo porque é solidário para com ele. Quem não ama não devolve o dízimo porque, não amando, não vê sentido em sair de si mesmo para partilhar. Quem ama, partilha, e partilha com generosidade e alegria.

O amor faz do dízimo uma profunda experiência de ação de graças. Nós, cristãos, não “pagamos” o dízimo ,mas porque amamos queremos partilhar, colocando em comum o que, de direito, pertence a todos porque pertence a Deus.
Texto adaptado:Catedral metropolitana de Goiania