• caraguatatuba
  • ilhabela
  • são sebastião
  • ubatuba

COM GRANDE ALEGRIA INICIAMOS O ADVENTO

Paroquia Nossa Senhora de Fátima 

            Domingo, 27 de novembro, demos início ao Advento. O Advento é um dos tempos do Ano Litúrgico e pertence ao ciclo do Natal. A liturgia do Advento caracteriza-se como período de preparação, como pode-se deduzir da própria palavra advento que origina-se do verbo latino advenire, que quer dizer chegar. Advento é tempo de espera d’Aquele que há de vir. Pelo Advento nos preparamos para celebrar o Senhor que veio que vem e que virá; sua liturgia conduz a celebrar as duas vindas de Cristo: Natal e Parusia. Na primeira, celebra-se a manifestação de Deus experimentada há mais de dois mil anos com o nascimento de Jesus, e na segunda, a sua desejada manifestação no final dos tempos, quando Cristo vier em sua glória.

Um dos muitos símbolos do Natal é a coroa do Advento que, por meio de seu formato circular e de suas cores, silenciosamente expressa esperança e convida alegre vigilância.Na coroa, também são colocadas quatro velas referentes a cada domingo que antecede o Natal. A luz vai aumentando medida que se aproxima o Natal, festa da luz que é Cristo, quando a luz da salvação brilha para toda humanidade. Quanto s cores das quatro velas, quase em todas as partes do mundo é usada a cor vermelha. No Brasil, até pouco tempo atrás, costumava-se usar velas nas cores roxa ou lilás, e uma vela cor de rosa referente ao terceiro domingo do Advento, quando celebra-se o Domingo de Gaudete (Domingo da Alegria), cuja cor litúrgica é rosa. Porém, atualmente, tem-se propagado o costume de velas coloridas, cada uma de uma cor, visto que nosso país é marcado pelas culturas indígena e afro, onde o colorido lembra festa, dança e alegria.

O Advento é tempo de reavivar a esperança naquele que vem para nos salvar. Para acolher o Redentor e seu Reino, que um dia virão, precisamos fazer penitência, mudar de vida, perseverar e vigiar. Acolhamos a graça da espera dentro de nós confiantes na misericórdia do Senhor, mas sem nos conformarmos com a maldade deste mundo.

Sergio Barbosa