• caraguatatuba
  • ilhabela
  • são sebastião
  • ubatuba

Histórico

S DA FAMILIA 2010 943

APARIÇÕES DE NOSSA SENHORA

O INÍCIO
Era primavera do ano de 1915. Em uma tarde, após o almoço, na região do alto do Sertão da Quina sentiu-se um suave perfume de flores. Segundo contam os antigos moradores, quatro meninas, entre 6 e 7 anos, avistaram um clarão e a silhueta da imagem de uma mulher numa montanha, no alto do morro do bairro. Eram elas: Iria Rosa de Oliveira, Benedita Januária, Joana Felix dos Santos e Maria Aparecida, que das quatro era a única que não teve a visão na primeira vez.

Três das videntes (já adultas)
A “BELA SENHORA”
A visão da imagem de uma mulher voltou a acontecer após alguns dias. A visão era precedida por uma forte luminosidade, como que um relâmpago.
Quando questionadas pelos pais, sobre o que viam, uma das crianças disse: “É uma mulher muito bonita, do tamanho da mamãe”.
Em visões seguintes, a “bela Senhora” teria pedido o seguinte: no local da visão, seria erguida uma cruz, e mais abaixo, uma igreja (local da atual Igreja de N.Sra. Graças), e que na região haveria uma Paróquia, um asilo e uma Congregação chamada Mariana (palavras até então desconhecidas para a época). Falou também que muitos anos mais tarde, ali próximo ao local da cruz, a comunidade iria construir uma casa onde todos os povos poderiam se encontrar e seu nome bendizer, e que no decorrer de suas visitas mostraria alguns fatos aos mais céticos.
Na época, a região possuía apenas as casas de Luiz Félix, João de Deus e João Manoel dos Santos(João Rosa). As meninas, ao chegarem ao berço de suas famílias, comentaram o ocorrido. Os pais, ainda assim, acharam que era imaginação ou coisa de crianças e mandaram elas irem brincar.
Meses após, as meninas estavam brincando pelas redondezas quando avistaram novamente um clarão e o seguiram. Viram a mesma imagem, só que mais nítida. Puderam observar que se tratava de uma jovem mulher. Uma das meninas, Maria Aparecida, que não avistara nada até então, perguntou por quê não conseguia ver ou ouvir o que conversaram. Uma das meninas comentou que haveria muitas provações como essa, assim como a falta de fé e a zombaria dos descrentes. Maria Aparecida pôs-se a rezar e pedir que nela fosse depositada confiança, para que pudesse ver e conversar com a jovem Senhora.

A CRUZ DE GALHOS
Em outra ocasião um grupo numeroso de pessoas avistaram um forte clarão. Aproximaram-se para ver do que se tratava e lá, no morro, viram as quatro meninas ajoelhadas, e só uma chorando. Perguntaram a elas o que teria acontecido, pois haviam visto a luminosidade. Aliviadas, as crianças explicaram o que tinham visto e que a claridade tinha uma razão de ser: era o sinal da chegada da “bela Senhora” .
Para que não zombassem delas, disseram que eram capazes de, naquele momento, ir a um local, só conhecido por alguns caçadores da região. Lá iriam achar, no meio mata fechada, uma cruz de galhos de árvores. Todos que ali estavam seguiram-nas. Após andarem algumas horas, acharam uma cruz bem no local indicado pelas meninas. Atualmente conhecido como “Sítio Santa Cruz”. Algumas pessoas ficaram maravilhadas com a descoberta, já que quase ninguém passava por aquele local, mesmo os experientes caçadores.
O local da aparição pertencia, na época, as únicas famílias que ali habitavam. Ninguém impediu que o jovem João Manoel e outros amigos cortassem galhos de árvores e, a pedido das meninas, fincassem ali a primeira cruz no local onde havia um pequeno pé de bastão.
Depois um senhor, que atendia pelo apelido de “Lelé”, confeccionou uma cruz em madeira e substituiu a primeira. Mais tarde, José Cláudio, um funcionário do DER, forneceu ferro e cimento para se construir em alvenaria uma cruz que ficaria em caráter definitivo.

AS PEREGRINAÇÕES
O ocorrido se espalhou rápido por toda a região chegando até os municípios vizinhos. Muitas pessoas vieram acompanhar as meninas que realizavam longas caminhadas. Anos mais tarde, com o aparecimento cada vez mais de fiéis, tornaram-se gigantescas procissões. A partir deste momento o bairro passou a se chamar “Sertão da Santa”.

A CAPELA E AS PROVAÇÕES
Um ano depois, em 1916, a comunidade iniciou a construção da primeira capela erguida em pau-a-pique. Ainda sem sugestão para o nome, uma das meninas que viram a imagem disse ser um pedido da jovem Senhora que a capela se chamasse Nossa Senhora das Graças.
Aproximadamente entre os anos de 1921 e 1924, as jovens que presenciaram as visões passaram por duras provações. Foram intimadas judicialmente com seus pais a depor no Fórum sobre todo o ocorrido. Choraram e sofreram, mas em nenhum momento negaram tudo aquilo que presenciaram.

SINAIS DO AMOR
Enquanto isso, o movimento religioso crescia. Sob o iniciativa da comunidade e do Capelão Jorge da Mata procissões e orações eram feitas.
Há ainda o relato de muitos fatos maravilhosos e extraordinários acontecidos com as meninas e os peregrinos que iam até o Sertão:

– Numa ocasião, a visão tinha dito s meninas que havia outra cruz de madeira, agora no bairro da Caçandoca. A cruz era fruto do falecimento de duas irmãs que caíram no mar na tentativa de recolherem mexilhões para o almoço. As meninas seguiram o caminho indicado pela Imagem e, em meio a um capão de mato, acharam dentre as folhas uma pequenina cruz de acordo com a descrição.
– Em outra ocasião, durante um tempo de falta de peixes, um pescador devoto testemunhou ter conseguido uma quantidade enorme de peixes, após ter peregrinado até o local das visões.
– Muitos atestam que enquanto caminhavam com as meninas, podia chover ou fazer sol, mas as pessoas não sentiam fome e continuavam a caminhar por quilômetros a fio.
– O relato de graças na saúde, família e emprego e sobretudo a conversão de vida passaram a ser constantes.

PROFECIAS SE REALIZAM
O tempo passou. E as profecias que a “Bela Senhora” fez foram uma a uma se concretizando:
– No ano de 1975 foi concluída a obra da Casa de Emaús, um centro de espiritualidade para retiros, onde centenas de pessoas passaram e tiveram uma ocasião de conversão e de um encontro pessoal com Jesus Cristo.
– A capela foi construída e em 1999 a região foi constituída em Paróquia, sob o decreto de Dom Fernando Mason, ofm, primeiro bispo diocesano de Caraguatatuba.
– E mais recentemente, um novo avivamento aconteceu. No ano de 2008, a comunidade paroquial, de comum acordo com seu pároco, re-animaram a comemoração mensal de Nossa Senhora da Graças, que acontece todo o dia 08 do mês, com a recita do terço, procissão luminosa e a Santa Missa. Desde abril de 2008 que o movimento iniciou e já são centenas de fiéis que voltaram a peregrinar nesse terreno sagrado, terra abençoada pela feliz lembrança da Mãe de Deus, a nossa querida Mãe das Graças.

ORAÇÃO ANTIQUÍSSIMA
Ó Virgem da Conceição, Vós sois aquela Senhora que na porta do céu estais, do sol vestida, da lua calçada, de graça assistida e de estrela coroada
Vós sois aquela senhora que de vossa sagrada boca dissestes:
Quem por meu santo nome chamar 150 vezes no dia, não sofrerá aflição, nem agonia.
Ó Virgem da Conceição, agora por vós eu chamo…
Ó Virgem da Conceição Valei-me!