• caraguatatuba
  • ilhabela
  • são sebastião
  • ubatuba

Mensagem de Dom José Carlos – Ago/Set 2014

Por ocasião da canonização do Pe. Anchieta, a Diocese de Caraguatatuba iniciou a Peregrinação “Caminhando com Anchieta”. Muitas das nossas comunidades a partir da região sul da diocese já realizaram a sua primeira peregrinação. As outras regiões estarão prosseguindo no decorrer dos próximos meses. Convido a todos para participarem desta iniciativa que além de nos ajudar a conhecer melhor nossas próprias praias e belezas naturais irá nos ajudar a resgatar nossa história de evangelização desde os tempos em que o Apóstolo do Brasil deixou suas pegadas na areia das nossas praias.

Assim também o mês de agosto é um tempo forte para rezarmos pelas vocações sacerdotais, religiosas e leigas, não esquecendo que o chamado ao matrimônio é também vocação, é chamado de Deus santidade conquistada num caminho compartilhado pelo homem e a mulher que respondem juntos a este chamado.

O Clero de Caraguá vive a alegria de receber mais um sacerdote. Nosso Diácono Vladimir Ferreira Coelho é consagrado sacerdote para servir a Igreja. E o seminarista Carlos Alberto Lemos que é ordenado Diácono. Continuemos a rezar pelas vocações, em especial pelas sacerdotais, para que muitos jovens das comunidades do Litoral Norte escutem o chamado de Deus.

No dia 06 de agosto a Igreja Católica recorda os 36 anos da morte do Papa Paulo VI. O Papa Francisco irá beatificá-lo no dia 19 de outubro próximo em Roma.

Com alegria a comunidade de Caraguatatuba vê retornarem para a Santa Casa as Irmãs Pequenas Missionárias de Maria Imaculada. Todos nós queremos dizer um obrigado pela generosidade e dedicação de todos esses longos anos de trabalho. Foram muitas as provações, as dificuldades que se apresentaram. As coisas de Deus geralmente são conquistadas com muito sacrifício e perseverança. Quando tudo parece estar perdido, Deus nos mostra um caminho, uma saída.

O mês de setembro é lembrado como o mês da Bíblia. Neste Livro, que na verdade é uma coleção de livros, Deus nos fala. O Concílio Vaticano II que comemora 50 anos de sua realização tem um documento chamado Dei Verbum. Nos números 12 e 13 afirma: “Deus na Sagrada Escritura falou através de homens e de modo humano… As palavras de Deus, expressas por línguas humanas, se fizeram semelhantes linguagem humana, tal como outrora o Verbo do Pai Eterno, havendo assumido a carne da fraqueza humana, se fez semelhante aos homens”. Os textos bíblicos foram escritos por diversas gerações, em diversas culturas e diversos momentos da história da humanidade. Assim para entendê-lo, é preciso abertura de espírito ao Amor de Deus que está presente em todos esses momentos históricos do desenvolvimento da sociedade e dos povos. Por isso em espírito de docilidade a Ele será possível ouvi-lo falando a nós hoje através da linguagem de hoje, mesmo partindo da linguagem do tempo em esses escritos foram feitos. Chamamos de Leitura orante da Bíblia, esse jeito de ler a Bíblia orando e docilmente deixando Deus falar ao nosso coração.
A todos e a todas, dedico também minhas orações e as bênçãos de Deus para suas famílias.

Dom José Carlos Chacorowski.

 

 

Palavras de Dom José Carlos – Revista De Praia Abril/Maio

 

Caros leitores estamos em festa, pois nossa Diocese de Caraguatatuba completa 15 anos de existência. Dom Fernando Mason OFMConv. como primeiro Bispo diocesano foi o pai carinhoso que zelou pela infância da diocese nascente e com grande dedicação a orientou para seguir seu caminho independente. Dom Antonio Carlos Altieri SDB, como segundo Bispo diocesano deu continuidade sua formação rumo juventude. Eis-nos, pois com o coração de jovem diocese, cheia de vigor e esperança, lançando-nos para um futuro próximo querendo conquistar maturidade. Assim ousamos sonhar com vários projetos. O Papa Francisco, nos oferece como presente de aniversário a canonização do primeiro grande evangelizador das nossas praias e matas. O Apóstolo do Brasil, hoje São José de Anchieta, andou por estas paragens. Anunciou o Evangelho as comunidades indígenas do nosso litoral. O desenrolar da história gerou os caiçaras. A globalização nos trouxe a mistura de muitas raças. A fé cristã permaneceu. Hoje somos comunidade nova prosseguindo pelos caminhos do Reino. Além de São José de Anchieta, ganhamos mais dois santos: São João XXIII e São João Paulo II. Santos destes nossos tempos modernos. São João Paulo II foi quem a 03 de março de 1999 criou a Diocese de Caraguatatuba. Ao festejarmos 15 anos, ganhamos dois grandes intercessores, que tem uma ligação direta com a nossa história. Cabe nossa geração dar continuidade construção do Reino de Nosso Senhor Jesus Cristo, dando um rosto cada dia mais definido, nossa diocese. Iniciamos assim um quinquênio jubilar dos 15 aos 20 anos revitalizando nossas pastorais. Convido a todos os diocesanos a rezar e trabalhar pelo cultivo das vocações sacerdotais e religiosas locais. Para isso estamos organizando a Pastoral Vocacional. Nossas comunidades precisam ser cada vez mais valorizadas e servidas conforme o coração de Nosso Senhor. Para isso vamos iniciar a Escola Diaconal São José de Anchieta que irá formar novos Diáconos permanentes. Eles irão somar com nossos sacerdotes no esforço de formar novas comunidades. São José de Anchieta foi o primeiro grande discípulo-missionário da Igreja no Brasil. Por isso vamos iniciar o “Caminhando com Anchieta”, iremos num primeiro momento fazer uma caminhada missionária através das nossas praias e caminhos, uma espécie de peregrinação, pelos lugares que tantas vezes encheram os olhos do Apóstolo do Brasil. Também nós nesta peregrinação queremos encher, não só os nossos olhos com as belezas do nosso litoral, mas os nossos corações com o tempo de uma nova evangelização.

Precisamos tomar consciência de que a beleza maior do nosso litoral está na nossa gente. Na história dos humildes caiçaras escondem-se muitos valores que foram conquistados na vivência da fé cristã. As mais remotas tradições de nossas comunidades partem dos valores do Evangelho. Seria lastimável que o progresso e a globalização fizessem desaparecer a riqueza dessa herança. Por isso convido a todos os habitantes do Litoral Norte do Estado de São Paulo que constituem a família diocesana de Caraguatatuba a juntar as nossas vozes e nossos sentimentos para louvar e bendizer ao Nosso Deus pelos dons destes 15 anos de vida eclesial. No belo quadro da criação do mundo, imagino nosso litoral norte como um autógrafo do Criador. Nossa responsabilidade é amar cada dia mais nosso chão, nossa gente e nossa história. No quadro da história atual nossas boas obras e nossos melhores sentimentos sejam registrados como nossas assinaturas no novo livro que contará a história que hoje iniciamos. Que para isso o Divino Espírito Santo nos abençoe e ilumine agora e sempre. Amém!

Parabéns querida Diocese de Caraguatatuba!

Palavras de Dom José Carlos Chacorowski – Revista De Praia em Praia Fev/Mar

Amados.
Nossa Diocese prossegue sua caminhada. Como campo de missão ela iniciou-se com os passos do Beato José de Anchieta que aqui veio para anunciar o Reino de Jesus Cristo. (Em breve o Papa Francisco irá proclamá-lo santo da Igreja Católica.) Se naqueles tempos idos papel era um artigo raro, pois, então, escrevia-se na areia das praias. Anchieta escreveu seu belo poema Virgem nas areias das praias de Iperoig, hoje, Ubatuba. Mas me parece que onde escreveu mais e com muito mais importância, foi no coração dos indígenas e daqueles que o escutavam com boa vontade. É um longo caminho de Igreja, que apenas nos seus últimos 15 anos leva o nome de Diocese de Caraguatatuba. Certamente a vocação de nossa diocese é servir o Povo de Deus. Com alegria neste mês de fevereiro iremos receber das mãos de Deus mais um servidor. Serviço, sabemos que significa “Diaconia”. Nosso irmão Vladimir Ferreira Coelho tornar-se-á Diácono em nossa Diocese para servir a Igreja de Nosso Senhor. Que todos nós, que amamos a Igreja, redescubramos a alegria de servir. E ao Diácono Vladimir todos os nossos votos de um ministério muito fecundo, vivido na alegria como nos convida o Papa Francisco.

No mês de março iniciamos mais uma quaresma, quarenta dias que nos preparam para viver a Páscoa; que é a vitória de Jesus Cristo sobre o pecado e a morte. Esta vitória precisa se manifestar em cada batizado. Cada um de nós deve participar dessa vitória. Daí o tempo próprio de oração, jejum e abstinência da quaresma. Deus não vai impor força sobre nós este mistério redentor de Jesus. É preciso acolhê-lo com liberdade. No Brasil, já há muitos anos as reflexões quaresmais tomam um sentido muito profundo e sério. Não ficam apenas em reflexões espirituais. Busca-se viver na prática de cada dia. Chamamos a essa prática de Campanha da Fraternidade. A cada ano um tema muito relevante de nossa vida social faz parte desta busca de viver a fé de modo concreto. Neste ano temos o lema: “É para a liberdade que Cristo nos libertou” tirado da carta aos Gálatas 5,1; partindo do tema: “Fraternidade e Tráfico Humano”. A cultura de nosso tempo faz prevalecer a ganância. As pessoas acabam se achando o centro de tudo e o seu bem estar e conforto tornam-se tão importantes que a vida dos outros perde a sua real importância. Nos tornamos indiferentes a respeito dos outros. Tomo aqui as palavras de Dom Leonardo Ulrich Steiner, Bispo Auxiliar de Brasília e Secretário Geral da CNBB ao apresentar a Campanha de 2014: “O tráfico humano viola a grandeza de filhos, destrói a imagem de Deus, cerceia a liberdade daqueles que foram resgatados por Cristo. As comunidades, as famílias, as pessoas certamente buscarão superar a globalização da indiferença em relação ao tráfico humano”.

Na introdução do manual da CF somos chamados a “ter nossos olhos fixos em Jesus Cristo, que, na cruz, se fez solidário com os que sofrem em nosso meio especialmente com as injustiças. Nosso caminhar quaresmal não pode ser insensível a situações que atentam contra a dignidade da pessoa humana e seus direitos fundamentais, como o tráfico humano. Os criminosos desse tráfico exploram pessoas em várias atividades: construção, confecção, entretenimento, sexo, serviços agrícolas e domésticos, adoções ilegais, remoção de órgãos e outras”. O objetivo geral da Campanha da Fraternidade é: identificar as práticas de tráfico humano em suas várias formas e denunciá-lo como violação da dignidade e da liberdade humana, mobilizando cristãos e a sociedade brasileira para erradicar esse mal, com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus.

Desejamos, pois, que esta quaresma seja um tempo favorável a todos que com o coração sincero buscam a santidade. Ao se santificarem nas pequenas coisas de cada dia, concorram para a santificação dos irmãos também.

Dom José Carlos Chacorowski,CM

Bispo diocesano de Caraguatatuba

 

Página 4 de 12« Primeira...23456...10...Última »